quarta-feira, 11 de julho de 2007

Eu aprendi...


Que não sou a dona da verdade e nem da razão
Que posso passar anos acreditando em uma coisa e, em uma fração de segundos, perceber que não era nada daquilo que eu acreditava
Que nesta mesma fração de segundos eu posso fazer uma merda e me arrepender pelo resto da vida
Que tudo na vida passa, até uva passa
Que perdoar é algo sublime, admirável e que exige muita prática
Que posso usar o meu charme por 5 minutos, mas depois tenho que mostrar que eu não estou ali a passeio
Que devo ser mais paciente, apesar de ser difícil por conta minha natureza estressada
Que não devo julgar as pessoas sem antes saber o porquê das coisas
Que eu não posso exigir o amor de ninguém ou vice-versa
Que o que é importante para mim, de repente não é para você e que você não está nem aí
Que as pessoas que eu mais amo sempre vão me machucar e que ninguém é perfeito, nem eu
Que a minha mania de esconder o que eu estou sentindo para não magoar o outro é ridícula, e que tenho que aprender a falar mais o que estou sentindo
Que é difícil sair de uma relação e não magoar o outro. Ah, e que virar amiga de ex é mais difícil ainda
Que sentir saudades muitas vezes pode ser uma coisa boa
Que o que somos hoje é reflexo da criação dada quando éramos crianças
Que a família e os amigos são TUDO de bom que temos nessa vida
Que amigos não são apenas para guardar no fundo do peito, mas para mostrar que são amigos
Que pessoas entram na sua vida de uma forma repentina e saem muitas vezes sem dar maiores explicações, deixando um vazio enorme
Que nada é para sempre
Que as coisas mais simples são as mais extraordinárias
Que eu ter uma pós-graduação não me faz mais sábia ou mais respeitável do que uma velha de 80 anos e que já passou por tudo nessa vida
Que heróis não existem, que são pessoas que fazem o que acham que devem fazer naquele momento, independentemente do medo que sentem
Que tamanho não é documento
Que palavras bonitas não significam nada se não forem ditas com sinceridade
Que você pode ser o cara mais lindo, rico, ter um carro maravilhoso, mas ser oco na cabeça e ser cheio de frescuras, ninguém merece
Que não devemos dizer EU TE AMO se realmente não temos certeza, afinal, EU TE AMO não é igual à OI
Que não é fácil lutar pelo que eu acredito
Que preciso escolher entre controlar meus pensamentos ou ser controlado por eles
Que posso ficar furiosa, tenho o direito de me irritar, mas não tenho o direito de ser cruel com as pessoas ao meu redor
Que estar só muitas vezes é melhor do que estar acompanhada
Que o fato de eu estar sofrendo não significa que o mundo vai ter que acabar ou parar por conta disso
Que o medo de arriscar é ter medo de sofrer
Que quando não se ama demais não se ama o bastante
Que quem muito fala nada faz
Que a minha ansiedade me atrapalha
Que falo demais, muitas vezes o que não devo
Que sonhar não custa nada
Que devemos agradecer a Deus todos os dias por sermos saudáveis e termos casa, comida e roupa lavada
Que vai demorar muito para me transformar na pessoa que quero ser, e devo ter muita, mas muita paciência...Mas aprendi também que posso ir além dos meus limites.

* Inspirado do texto "I have learned", de William Shakespeare *

7 Comentários:

Blogger Sheila disse...

Sabe, há muitas coisas nessa sua lista que eu preciso aprender, mas o processo é bem difícil, confesso. Geralmente, erro de novo e de novo e de novo...Um dia, quem sabe?

Mas, uma coisa eu aprendi: "Que palavras bonitas não significam nada se não forem ditas com sinceridade". E aprendi da pior forma, pode acreditar. Mas, foi válido. O que não mata, pode até engordar, como diz o ditado, mas, também, nos deixa mais fortes.

Ah, quanto a sua pergunta, eu sou de João Pessoa, moro em Recife e tenho família em Fortaleza...rs..rs

Adorei sua visita ao meu blog e espero que volte mesmo mais vezes, porque eu, certamente, voltarei por aqui. :)

Beijos!

11 julho, 2007 18:05  
Anonymous Cin disse...

Acho legais essas auto-reflexões, a vida é isso mesmo...um eterno aprendizado.
Bjos flor!

12 julho, 2007 11:03  
Blogger ki-colado disse...

Tenho o costume de afirmar que se fosse-mos em torno de 70% do que Shakespeare escreveu, já daria para considerar a humanidade perfeita.

Como as menções do texto são por teorias utópicas, não há como buscar defesas escapatórias querendo ser feliz por menção dos outros.

Trate de encontrar aquele ser tão perfeito e capaz quanto tu és e pronto, não vai mais depender de quem quer que seja ninguém.

Lembrando: Ninguém será sempre ninguém enquanto permanecer assim; contrário de alguém.

12 julho, 2007 14:52  
Blogger Lorita disse...

Ai Dani, tantas coisas pra aprendermos, tanta vida pra vivermos...
Enfim, segundo em frente pra alcançarmos corações sábios!

Bjm

12 julho, 2007 14:54  
Blogger . m e l i n a . disse...

Me lembro como se fosse hoje quando o prof. colocou o video do Shakespere lá na sala, e eu fiquei emocionada. Gostei bastante da sua adaptação (se realmente for isso, se não, desculpe), ela está muito interessante e quando a pessoa lê, se ela ler com atençã ela vai se sentir tocada mais do que imagina, porque isso aí que você escreveu se passa com todo mundo. E sim, temos que viver da melhor forma possível, tentar buscar uma tal de perfeição, mas, se não consegui-la não tem nenhum problema, é normal.

:*

12 julho, 2007 20:31  
Blogger Mila disse...

É amiga, tem muitas coisas dessa sua lista que eu preciso aprender, outras, que aprendi a duras penas.

13 julho, 2007 00:35  
Blogger Eliana disse...

Realmente é lindo, o problema é que somos seres em busca da perfeição, temos o livre-arbítrio para a decisão de nossas atitudes, se conseguirmos atingir pelo menos 50% do que nos é proposto estaremos no caminho certo.
O importante é ter consciência de que precisamos mudar e o mais importante é ir atrás dessas mudanças.
Acho que quando nos sentimos incomodados é pq algo está sinalizando que precisamos mudar.

09 setembro, 2007 12:24  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial