terça-feira, 30 de outubro de 2007

Cada dia é um aprendizado


Ontem, durante o meu dia de trabalho, tive mais uma lição de vida. Sim, porque a cada que eu vivo aprendo um pouco, principalmente com os meus pacientes. Escuto cada coisa deles que paro para refletir.

Estava fazendo um grupo com as mães quando uma criança saiu para fazer tomografia. A mãe estava desesperada e chorava, chorava, chorava, onde nao queria conversar, apenas chorar. Claro, respeitamos o seu silêncio, até porque seu filho tem 5 anos e há 2 luta contra um câncer. Como profissional, fiz a minha intervenção tentando tranquilizá-la, incentivando a sua participação no grupo para que nele ela exponha um pouco seus medos, suas dúvidas com relação a doença do filho, bem como dos procedimentos realizados no tratamento e também ser um espaço de troca com as outras mães que estão vivenciando o mesmo momento de stress.

É incrível como tem mães que se mobilizam com as outras, não importanto a gravidade do problema. Uma mãe em especial me chama muito a atenção. Essa mãezona hoje completa 1 ano que está no hospital com seu filho. Sim, 1 ano, imaginem. Seu filho tem uma doença rara chamada Doença de Pompe. Quando o filho teve uma parada cardíaca aos 7 meses, foi encaminhado para o hospital que trabalho e os médicos chegaram a falar que o filho não teria muito tempo de vida, já que a taxa de mortalidade da doença é maior nos 2 primeiros anos de vida por conta das cardiopatias que a criança desenvolve. Ela é de uma cidade do interior da Bahia e é uma pessoa humilde, mas de um coração enorme. Vive sorrindo, é uma mãe amorosa e que sempre tem uma palavra amiga e de consolo para as outras mães que está sofrendo.

Ela disse uma coisa no grupo que me me fez pensar muito: "Teu choro pode durar uma noite mas a alegria virá ao amanhecer". Ela falou isso numa emoção tão grande, comovida com o sofrimento da mãe que chorava angustiada por conta do filho, por falar dela, da sua trajetória e luta diária que me segurei para não chorar.
Nós temos a mania de pensar que os nosso problemas são maiores que os dos outros, reclamamos, ficamos de mal humor, entramos em desespero...e não pensamos que essa atitude não ajuda em nada. Vi o quanto ela já sofreu e sofre até hoje, pois deixou sua casa, seu marido, sua filha de 13 anos para se dedicar ao filho de 1 ano e 7 meses, que não fala, não anda, está na UTI e é traquesteomizado. Ela dorme em cima de uma cadeira, passa noites em claro e a cada amanhecer ela renova suas energias para enfrentar mais um dia de batalha.

Apesar de grave, já teve avanços significativos, tanto motores quanto cognitivo, principalmente com o tratamento da Terapia Ocupacional, onde construímos um recurso de comunicação alternativa com fotografias e com o olhar ele escolhe o brinquedo que quer utilizar no atendimento. sim, porque não podemos esquecer que ele é uma criança e ele tem o direito de brincar sim!

Quando eu chego na UTI é uma alegria, porque a mãe reconhece o meu trabalho e fica imensamente feliz quando realizo o atendimento. A criança me olha de uma forma tão intensa que me encanta e me faz sentir uma imensa alegria em estar fazendo algo que aos olhos de muitos é pouco, mas que para aquela família é muito.

Será que realmente tenho problemas de difícil resolução? Acho que não.

Essa mãe me ensinou o que é o amor verdadeiro por um filho e o que é ter fé. Saí do hospital me sentindo imensamente feliz por Deus ter me proporcionado mais uma grande lição de vida.

6 Comentários:

Blogger Anne disse...

Por esses momentos que eu amo tanto o meu trabalho. Olhar de verdade para as pessoas, ver suas vidas, trajetórias, dificuldades e sucessos me faz acreditar cada vez mais no seu humano e agradecer sempre a Deus pela vida que tenho e pela oportunidade de ajudar, mesmo q seja só um pouquinho o que eu possa fazer!

Cada vez mais percebo que o ser humano é capaz de suportar e superar mto mais coisas do que imagina, se o quiser!!!

Lindo esse post, Dani...amei. Difícil não se emocionar com alguma histórias, não é?

Bjosss

30 outubro, 2007 22:00  
Anonymous Erika disse...

"Teu choro pode durar uma noite, mas a alegria virá ao amanhecer" Que lindo isso.
E amor de mãe, é igual amor de Deus, incondicional. O único.

Beijos

31 outubro, 2007 06:42  
Blogger Lluzinha disse...

Bom dia, querida!!

Tudo muito lindo por aqui..

BjoO!!

31 outubro, 2007 09:20  
Blogger Jac C. disse...

Amei essa imagem. Muito significativa!
Sem dúvida, cada dia é um aprendizado.
Doeu-me ler sobre a dor dessa mãe. Tenho um filho quase da idade do dela e a dor de fato deve ser incalculável.
Ai menina... que história!
E que lição!
Faz-me pensar... o que são mesmo os meus problemas?

31 outubro, 2007 19:30  
Blogger Mila disse...

Esse tipo de coisa é um baita tapão na cara... A gente entra em contato com uma realidade maior do que esta acostumado... Imagino o que seja conviver com estes chaqualhões todos os dias... Eu tenho destes vez por outra... E mesmo a vida tem dos seus... é... vou ficar a pensar...
Beijos e bom feriado
Mila

01 novembro, 2007 11:15  
Blogger Lluzinha disse...

Obrigada pela visita..

E pelo comentário..

Vamos trocar links??

BjoO!!

02 novembro, 2007 12:32  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial