sábado, 5 de abril de 2008

Sob a copa das mangueiras


O sumo da manga escorria por entre seus dedos enquanto ela deliciava a fruta recém colhida no pé. Ainda estava pendurada em um dos galhos enquanto saboreava sua fruta predileta.

Todo dia cumpria seu ritual de subir, escolher, limpar a manga na barra do vestido e devorá-la calmamente, enquanto olhava o nada, embora na sua frente estava um lindo pomar com uma casinha amarela mais à frente, de onde ela saía correndo todas as manhãs para lavar o rosto num laguinho artificial que o pai havia feito para os patos nadarem.
Quando chegava o fim da tarde ela sentava em baixo da mangueira para ver o pôr-do-sol e o nascer da lua através do lago. Evento da natureza que parecia exercer um poder mágico sobre ela. Era incrível como se sentia calma, renovada. Chegava a desligar-se do mundo. Cansava de ter seus pensamentos interrompidos pelos gritos da mãe, dizendo: - Menina, entra que a janta tá na mesa!
Ficar ali absorvida em seus pensamentos lhe alimentava mais do que qualquer comida. Alimentava-lhe a alma. As sensações experimentadas por ela eram tão intensas que bastava fechar os olhos e parecia que tudo estava acontecendo de verdade. Era um misto de certezas, desejos e medos. Medo do real, do ainda desconhecido, mas que não deixava de fasciná-la.

Mas o que ninguém sabia era que a menina seguia um ritual sempre depois das 22h, quando os pais se recolhiam para dormir. Ela colocava três gotas do seu perfume de jasmim, vestia seu vestidinho de seda branca com aplicações de rosas cor-de-rosa de renda, calçava os chinelinhos de couro e saía pela janela do seu quarto. Seguia o caminho que mais gostava: andava até a mangueira e deitava-se debaixo dela, olhando as estrelas e a lua, ficando a esperar calmamente o dono dos seus pensamentos.

Ele sempre chegava pontualmente às 22:15h, sempre cheirando a loção pós-barba e um perfume que segundo ele era italiano, que comprou quando esteve em Milão, dizia que só usava em ocasiões especiais e estar todas as noites com ela, era sempre especial...

Certa noite, o pai da menina levantou para beber água. Como de costume, passou no quarto da filha para ver se ela realmente estava agasalhada, pois tinha o costume de se virar muito de um lado para o outro durante a noite e se descobrir sozinha.

Ao entrar no quarto o pai se deparou com uma surpresa. A filha não estava lá. Bateu um desespero, onde ele saiu voado que nem um gavião, com a lanterna e a espingarda na mão.

Não precisou ir tão longe. A menininha estava lá, deitada em baixo da mangueira com o seu amado, ambos nus, enrolados por uma coberta. A paz de ambos fora interrompida com a luz da lanterna.

- O que significa isso? Quer dizer que ao invés de dormir você foge pra ficar de sem-vergonhice com esse cabra? Berrava o pai da menina, pegando ela pelo braço a força.

- Esse cabra tem nome e é o homem que eu amo pai!

- Por favor, podemos conversar...Tentava dizer o rapaz, visivelmente nervoso com a situação.

- Conversar, conversar o que cabra safado! Você desvirginou a minha filha, a minha filhinha tão ingênua e pura.

A essa altura a esposa de Juvêncio já havia ouvido os berros e estava lá. Ela desconfiava que a filha dava umas escapulidas, mas achava que fosse apenas uma traquinagem de menina moça. Afinal, ela mesma na Juventude havia dado umas fugidinhas até o fundo da igreja para encontrar Juvêncio.

- Pai, eu não sou tão ingênua assim, eu sou uma moça que ama um homem.

- Você é uma safada, isso sim! Você me envergonhou, você desonrou a sua família sua...Juvêncio já estava levantando a mão para bater na filha, mas foi impedido por Margarida, sua esposa:

- Você tá louco homem? Para com isso!

Margarida não impediu a surra que Juvêncio deu na filha. Ele batia nela com tanta força que por um instante esqueceu que ela era uma menina frágil, franzina. O rapaz a essa altura já tinha corrido, com medo de levar um tiro de Juvêncio.

- Nunca mais quero olhar na sua cara ouviu bem? Você me desrespeitou nas minhas fuças. Como eu fui trouxa! Agora se quiser, vá viver as custas dele. Juvêncio saiu puxando a esposa pelo braço, que chorava desesperadamente e gritava: - Minha menina, não, por favor homem, não faça isso, ela é apenas uma garota!!!

Juvêncio não queria conversa. Estava irredutível na sua decisão. A menininha chorava copiosamente, caída no chão, pois não tinha forças para se levantar por conta da surra que havia levado. Pensava como o pai poderia ser tão radical daquele jeito.

Ao amanhecer, a menina se lavou e se vestiu, partindo em direção da cidade. Chegando lá, foi procurar o seu amado. Ao bater a porta, deu de cara com uma ruiva, de olhos verdes e sorriso meigo, com um bebê no colo. Ao perguntar do rapaz, foi surpreendida com a resposta: - Meu marido não está, teve que fazer uma viagem de negócios e vai ficar fora por 10 dias. Posso ajudá-la?

A menina ficou perplexa. Faltou o chão naquele momento. A dor que estava sentindo era pior do que a surra que tinha levado na noite anterior. Ela saiu andando e deixou a ruiva sem resposta. Ela andava rápido e chorava, sua cabeça estava zonza, não sabia o que fazer, para onde ir. Estava desnorteada. Pensava em como tinha sido ingênua, em ter se deixado levar pela lábia de um homem da cidade.

Andou pela estrada e só parou a noite, quando não suportava mais. Caiu no chão e foi acudida por um casal que viajava de caminhão por aqueles lados. Ao acordar, o casal deu água e comida para ela. Ao perguntar para onde ela ia, ela disse:

- Não sei, para bem longe daqui.

Sem entender nada e sem querer saber maiores detalhes, o casal ofereceu carona até a cidade que eles iriam, que ficava há 780 km daqui. Chegando lá, a menina agradeceu e deu adeus aquele casal tão gentil.

Foi seu último gesto de gratidão para alguém, aprendeu da pior maneira possível como é amargo o sabor de uma paixão, olhou o caminho de onde veio pela última vez e prometeu a si mesmo a recomeçar. Agora sem inocência, frutas tropicais ou perfumes italianos.


* Conto escrito por mim e minha amiga amada Aline *

7 Comentários:

Blogger Lorita disse...

E palmas pra nós!
Vou chamar o Almodóvar pra transformar isso num filme, claro que a mocinha vai ser a Penelope Cruz, né? rs...

bjm amada, qui amu!

p.s.: gostaram da música?

06 abril, 2008 15:25  
Anonymous Glaucia disse...

Gostei muito do seu blog, cheguei aqui pelos links no blog da Aline, Aliás parabéns para as duas pelo conto.
Se quiser visite meu blog www.palavrasquaseracionais.blogspot.com
Grande abraço.

07 abril, 2008 00:53  
Blogger Marcelo Martins disse...

Mas esse tal Juvêncio precisa mesmo é de uma boa trepada, não?
Eita carinha mal-amado...Mas tá cheio de neguinho assim por aí.
Cara, se a filha está feliz que deixe ela ser feliz e fique igualmente feliz por ela.

Viva e deixe viver...

Leva o cara pra casa, bebam um chá, conversem, conheçam-se, mas não...O panaca do pai já préjulgou, quis dar umas porradas na filha e chutou o pau da barraca.
A reação do casal foi ótema. Tratar de puxar o carro e serem felizes um ao lado do outro.

Mais cedo ou mais tarde Sr.Juvêncio acaba aceitando essa união.
Ou então é mesmo um ignorante completo.

Desculpe-me, Dani, mas o meu saco com familiares que pensam poder dirigir os sentimenstos de seus filhos me dão ânsia de vômito, argh!!!

Gostei da historinha, dá mesmo um filminho. Mas eu indicaria Fellini para a direção,rs.

Beijinhos. =)

07 abril, 2008 10:30  
Blogger Carmim disse...

Paixão sempre me faz pensar em algo que aquece, explode e depois se apaga.
Mas todos os sentimentos são essenciais para que cresçamos enquanto pessoas, e para que fiquemos mais preparadas para aqueles mais sólidos e doces que irão surgir.

Um beijo.

07 abril, 2008 14:10  
Blogger Lorita disse...

tem gente que não leu até o final do conto! lá lá lá lá... :P

08 abril, 2008 20:03  
Blogger Dani disse...

É vero amiga!!!
Vai ficar de castigo na escola, rsrsrs

08 abril, 2008 21:27  
Blogger Ricardo Rayol disse...

triste e renovador

14 abril, 2008 10:32  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial